Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 19 de junho de 2017


Uma grande decepção nos nossos ídolos e em muito daquilo em que acreditamos tem que ocorrer nos nossos corações. -- Para perceber o mundo como ele é, não pode estar agarrado a nenhuma caixinha ideológica, terá que sair da caixinha e olhar como todas as caixinhas, que aparentemente e convincentemente são diferentes, se articulam num sistema macabro de opressão escravizante da pessoa humana e dos povos. Vivemos num mundo de mentira, uma cabala com um segredo em comum governa o mundo, há muito tempo que nos controla e continua a fazer o macabro jogo de manipulação das nossas energias e ideais. -- Para perceber o mundo tem que abandonar as suas convicções e abraçar a humanidade no mais simples e puro que ela representa. O coração humano tem sido sistematicamente corrompido e enganado para que não perceba que é escravo. -- Quando começar a sair da sua caixinha e começar a olhar todas as caixinhas juntas a funcionar, num olhar de quem não está vinculado a nenhuma coisa mais do que o humano e só o humano irá começar a perceber muita coisa. -- Irá perceber que as nações e os muros são as jogada do mal que nos governa, irá perceber que o mal existe, é consciente e comanda o mundo conscientemente para que continue cada vez mais ignorante, bruto, violento, fechado. -- Irá perceber que as nações e os seus territórios são quintas e não países, irá perceber que somos gado e não cidadãos. -- Irá perceber que a política se está a tornar cada vez mais uma cambada de inúteis que seguem as directrizes de um plano macabro que vem sido desenrolado na sombra sem nos apercebermos. -- Irá perceber que as ideologias políticas e partidos num sistema de Direita e Esquerda foram, ou criadas por eles, ou densamente infiltradas e manipuladas. -- Ira perceber que por detrás de todo o caos há uma ordem macabra. -- Irá ficar assustado. -- Irá começar a perceber que um raça de víboras joga com as nossas vidas. -- Destrói as nossas mentes com metais pesados. -- Emporcalha, estupidifica e envenena o nosso futuro. -- Controla a realidade, engana-nos com mentiras. -- Engana-nos com a verdade. -- Engana-nos como pode e como não pode. -- A sua mente entrará em choque. -- não quererá acreditar. -- A sua mente irá recusar que tem sido enganado toda a vida. -- Mas tem. -- A de todos. -- O mundo parece estar a pegar fogo enquanto escrevo estas linhas, estão a empurrar a humanidade para um fascismo sublime onde ninguém questione ou sinta vontade de deixar de ser escravo. -- Ao longo de anos os fogos florestais em Portugal e a prevenção que é feita fazem parte do esquema, eles querem empurrar as pessoas para as grandes metrópoles onde poderão mais facilmente manter o gado controlado. -- Questionem mais o mundo. -- Perguntem mais e voltem a perguntar. -- E não se contentem com qualquer resposta. -- Se me acha doido e maluco, observe o mundo, veja como ele está... ------Pintura: Igor Morsky--

quarta-feira, 3 de maio de 2017

O mundo é um local estranho, se investigar saberá que mais do que estranho, é uma prisão!! Torna-se difícil explicar porquê... o porquê de ser uma prisão... porque é de difícil compreensão e a realidade é inconcebível para os nossos cérebros treinados com mentiras durante anos...
Pintura: surreal optical illusion paintings by rob gonsalves (9)

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Palavras ao vento, espalhadas...

A nossa alma é maior do que aquilo que julgamos... muito maior! Tivémos muitos mestres do amor que nos ensinaram isso mas nós de uma maneira ou de outra acabámos por esquecer ou deturpar a verdade. Normalmente as palavras acabadas em ismo são perigosas e temos muitas, como comunismo, fascismo, cristianismo, budismo, islamismo, socialismo, anarquismo, capitalismo... todas elas acabam por nos marcar, umas pela negativa, outras pela positiva, depende da experência e percurso de vida, contextos, acontecimentos, que cada um carrega em si, há uma história pessoal diferente por cada chama viva... centelhas do mesmo fogo, da mesma força mas separadas por muros erguidos em suas próprias mentes... Em pleno século XXI, com as capacidades, competências, saberes, filosofias, ciências que temos para sermos a época do método cientifico, da objectividade, da solidariedade, da irmandade, da compreensão das religiões como fontes de amor e paz espiritual, constatar que estamos indo em sentido contrário entristece-me. Há um mesmo fogo que une cada centelha humana, então temos de nos perguntar porque raio esquecemos isso ou moldámos as nossas mentes com meias verdades deturpadas, acabamos por escolher sempre um ismo qualquer, enfiamos uma caixa e já não saímos daquela lente de observar o mundo, então passamos a opinar uma as coisas baseadas em deturpações, às vezes acertamos, a maior parte das vezes sai ao lado. Este século anunciava uma nova humanidade, marcada pela paz, pela solidariedade, falava-se em irradiação da pobreza, das guerras e da fome, falava-se em humanismo à boca cheia. este blogue nasceu dessa esperança, acreditava que a espiritualidade humana ia levar cada centelha a abrir a sua alma a uma nova dimensão, muito mais humana da coisa. Mas acho que nos perdemos algures. Não sei onde, mas algures as mentiras que estávamos a desmistificar voltaram em força. Até Quando raio vai a guerra de Abel e Caím durar? Porque temos de tomar sempre parte de um ponto de vista? de uma forma de ver as coisas e fecharmo-nos em copas nas densas ideologias que adóptamos nas nossas vidas, Basta! Parem com isso! E que tal se nos levarmos uns aos outros a olhar este mundo com seriedade, sem ismos, sem as duas cabeças, sem muros a separar... Nesta noite sinto os horrores do mundo, se soubéssemos o que somos e de que somos capazes teríamos a capacidade de encostar o ouvido no chão e escutar todas as dores humanas que percorrem o planeta, escutariam as lágrimas densas das almas arrancadas deste mundo e as das alamas dos oprimidos, vitimados, abandonados. Muitas lágrimas correm, a nossa aura tem baixado de intensidade, a futilidade conquistou a nossa alma... então somos fúteis, se te analisares com sinceridade verás que a tua alma se está a tornar fútil. O vigiai e orai do Mestre do Amor que levou a que entre hipócritas e santos fosse construído o cristianismo, acabou por se perder no denso pó de séculos, estamos a perder o dom de nos sensibilzarmos, de nos condoermos com as outras centelhas, o reino de justiça prometido nunca esteve tão longe de se tornar realidade, somos uma mentira, uma aberração manipulada presa à guerra dos egos. Que mundo triste este, dividido por muros ideológicos, sem se consciencializar que caminha para um abismo profundo. Sente-se o bater da mãe terra, o suave bater da mãe terra, calmo, triste, a sua vivbração está triste. Não está triste por ela, está triste pelo fogo, o grito de Cristo continua a ecoar na cruz. Mãe terra, eu choro contigo...

domingo, 27 de dezembro de 2015

Por uma Primavera Altermundialista!


O nosso mundo actual está assustador, doente, e roda vertiginosamente à volta de um sistema doente e podre... o inverno capitalista tem um propósito assustador, seja ele qual for, este facto é cada vez mais inegável, a ocidente tratados já foram assinados e outros estão em cima da mesa e não é preciso ser muito inteligente para se perceber que um governo mundial fascista e ganancioso está a ser levantado num plano cuidadosamente preparado. Trata-se de uma luta de séculos e quiçá de milénios mas os avanços do mal tem crescido assustadoramente, eles dividem-nos, põe-nos a guerrear uns contra os outros e a revolução urgente não acontece. Este é um tempo em que devíamos todos pôr em causa os nossos credos e ideologias, pois todos eles já foram há muito infectados pela chamada Nova Ordem Mundial: comunistas, sociais democratas, muçulmanos, cristãos, judeus, protestantes e todos os outros que habitam este mundo maravilhoso estão fechados nas suas convicções falíveis e fecham a cara ao humano, à verdade e ao amor. Somos convidados a por em causa as nossas convicções à luz do humano e da paz, Por uma primavera Altermundialista, por uma nova aurora das consciências humanas!

domingo, 23 de agosto de 2015

Oh admirável mundo novo!

O mundo ficou estranho, parece que já nada é tido como verdade, cada um gere-se pelas suas verdadesinhas com tampões nos ouvidos. Estamos a perder a capacidade de escutar o outro e a de focar a nossa consciência no essencial sem aplicar os filtros daquilo que temos como as nossas verdades, na verdade não serão muitos os seres humanos que se podem gabar de tal coisa... O meu país está em campanha eleitoral, uma campanha eleitoral estranha, não me lembro de nenhuma com grande interesse, mas esta em debate de ideias é das mais pobres de todas. A verdade é que o lucro do capital é descaradamente o nosso governo, a governar e a desgovernar a seu belo prazer, sobrepondo os seus interesses acima de tudo e de todos, não é ninguém em especial, se tivéssemos de dar um nome, ganância seria de certeza a palavra que eu escolheria. somos assim governados por algo que não existe fisicamente, algo que corrompeu os nossos corações, uma série de tentáculos que se cruzam, ajudam e aniquilam a uma escala assustadoramente mundial. A ganância trás a vontade de fazer lucro e a melhor coisa para fazer dinheiro é sem duvida a guerra. Se fossemos governados por pessoas e não pela ganância, de certo iríamos ouvir falar nas campanhas eleitorais de temas essenciais como estratégias de combate à pobreza, estratégias para que a escola seja um sitio cada vez mais qualitativo no sentido de ajudarmos as crianças a serem felizes, autónomas, livres, criativas, dinâmicas e participativas no mundo, estratégias de sustentabilidade económica, financeira e ambiental, estratégias na área da saúde,estratégias para a cultura, estratégias focadas nos problemas reais, etc, etc... mas não... esta raça de víboras sem rosto e sem nome continua a vomitar direita para aqui e esquerda para ali, num rol de demagogias que embrulha a capacidade de pensar de todos, a deles e a nossa... Eu pessoalmente estou assustado, tinha a ilusão de que estávamos a caminhar no sentido da evolução, sempre tive esta esperança e esta fé, mas a o braço de ferro entre o lado humano e a ganância está assustadoramente inclinado para uma esmagadora vitória da segunda. O mundo deixou de ser um jogo de fronteiras para passar a ser um gigante monopólio jogado, repito, a uma escala mundial, sem regras, onde vale tudo, até assinar tratados para incluirmos porcarias no que comemos ou proclamar guerras a torto e a direito, depois de se simular um ataque inimigo para influenciar a opinião pública. É este o novo e admirável mundo que estamos a construir, um mundo onde um jogador de futebol recebe o que recebe enquanto que milhões morrem de fome, um mundo que gasta monstruosidades de dinheiro para matar outros da sua raça, tudo para criar mais dinheiro ainda... Oh admirável mundo novo!

domingo, 12 de outubro de 2014

http://youtu.be/LllsDtYpSw4

...

Primaveras cheias de inverno...


Um país de humanos pensantes deveria ser assente em pilares fortes para ser uma nação forte. Uma comunidade sem civismo, solidariedade, respeito pelo que é público, humildade, amor ao próximo, altruísmo, preocupação com a educação, formação humana do indivíduo e justiça social deixa de ser comunidade e passa a ser uma selva, onde o mais forte engole o mais fraco. O meu país não tinha como escapar da crise financeira que corre o globo, mas poderia estar muito mais bem preparado se houvesse mais respeito pelo que é público. Vivo num país onde o oportunismo se foi tornando no principal dos pilares e tornámo-nos presa fácil do capitalismo, uma primavera anunciada que na verdade esconde um longo inverno. Importámos valores e tendências culturais assentes em muitos pilares que não assentam nos anteriores enunciados e por todo o país tem reinado o oportunismo mas o pior são mesmo os nossos governantes que nada parecem perceber de contas, apenas fazem o que a banca dita, sendo também eles uma camada de oportunistas cuja lei que mais lhe agrada é aquela que dita o alargar dos seus direitos, que não são poucos. Mas muitos mais se aproveitam enquanto o nosso sistema educativo e de saúde e todos os outros se vão afundando. No meu país houve uma revolução chamada dos cravos, mas esta revolução não aconteceu no coração de muitos. A verdadeira revolução ainda está por acontecer, uma revolução que não ocorra nas ruas mas sim nos corações dos homens e mulheres. Uma revolução que tarda e que me parece cada vez mais longe. Somos pensantes mas falta-nos muito em humanidade e sentido de pertença comunitária, mas o oportunismo tem proclamado a ignorância das massas, mantendo-as escravizadas. Quero acreditar que os jovens estão a formar em si uma nova maneira de olhar o mundo e a sociedade e sim vejo sinais, para eles fica aqui este apelo, o de não caírem em primaveras muito bonitas em aspecto mas vazias em conteúdo. Terão de ser vós a sonhar um mundo novo mas não se esqueçam de que há pilares essenciais em todos os corações, para que todos juntos construamos um futuro diferente!